sexta-feira, 18 de março de 2016

Bruno Andrade, questiona CMG se vai "arrastar os táxis para outro lado qualquer"


Bruno Andrade, questiona CMG se vai "arrastar os táxis para outro lado qualquer" #aguardaexiste #deputadoscomcausas
Publicado por A GUARDA EXISTE em Sábado, 12 de Março de 2016

Marco Loureiro, defendeu que havendo atualmente pessoas a viver sem "Teto", era preferível "dar a quem dorme juntamente com ratos"


Durante a votação da venda dos 10 apartamentos pertencentes à autarquia, Marco Loureiro, defendeu que havendo atualmente pessoas a viver sem "Teto", era preferível "dar a quem dorme juntamente com ratos" #deputadoscomcausas #aguardaexiste
Publicado por A GUARDA EXISTE em Sexta-feira, 18 de Março de 2016

sexta-feira, 4 de março de 2016

PSD e CDS-PP chumbam moção do BE "Pela justiça na tributação do IMI"


A maioria PSD/CDS-PP chumbou uma moção apresentada pelo Bloco de Esquerda em sessão de Assembleia Municipal realizada no passado dia 26, que apelava pela justiça na tributação do IMI.

O deputado municipal, Bruno Andrade, deu voz à moção abaixo transcrita:  

Pela justiça na tributação do IMI

Considerando que a Proposta de Lei n.º 12/XIII, que aprova o Orçamento de Estado para 2016 estabelece:

a) Um conjunto de alterações ao Código do IMI e ao Estatuto dos Benefícios Fiscais visando uma maior justiça na tributação;
b) A revogação dos benefícios fiscais em sede de IMI concedidos até agora aos Fundos de Investimento Imobiliário;
c) A reintrodução de uma cláusula de salvaguarda quanto aos aumentos de IMI, prevenindo a perda acentuada de rendimento disponível das famílias em função dos aumentos de IMI, cláusula de salvaguarda essa apenas aplicável aos imóveis que sirvam de habitação própria e permanente ao sujeito passivo;

E considerando ainda que:

d) Se terá de, com mais tempo e reflexão, proceder a uma reforma mais ampla da tributação do património;
e) No entanto, subsistem algumas iniquidades na tributação em sede de IMI que poderão ser objeto de correção com a aprovação do Orçamento de Estado;
f) Sendo disso exemplo a manutenção do tratamento privilegiado em sede de fixação da taxa de IMI nos prédios destinados a habitação própria e permanente do agregado familiar do sujeito passivo apenas em função da existência de dependentes a cargo;
g) Importando assegurar que a tributação em sede de IMI tenha em consideração a propriedade de habitação própria e permanente, que merece ser privilegiada independentemente e aprioristicamente da existência de dependentes a cargo, sem embargo de se limitar essa aplicação a uma parte do valor patrimonial tributário do imóvel que se considere justa;
h) Desta forma se assegura que todo e qualquer prédio destinado a habitação própria e permanente do proprietário é tributado de forma diferente da utilizada para a tributação de uma casa de férias ou de um imóvel destinado a rendimento; i) Persiste no Estatuto dos Benefícios Fiscais uma isenção específica para as misericórdias, caso em que o benefício de isenção de abrange quaisquer imóveis de que sejam proprietárias e não apenas, como nas restantes IPSS aos imóveis destinados diretamente à realização dos seus fins (ver artigo 64.º, n.º 1, alínea f) do Estatuto dos Benefícios Fiscais);
j) Esta medida para além de duvidosa constitucionalidade, por violação do Princípio da Igualdade (artigo 13.º da Constituição da República Portuguesa), é manifestamente injusta.

Assim, a Assembleia Municipal da Guarda reunida em 26 de Fevereiro de 2016 delibera:

1 – Manifestar apoio à revogação dos benefícios fiscais em sede de IMI aos Fundos de Investimento Imobiliário, conforme previsto na Proposta de Lei n.º 12/XIII.
2 - Manifestar apoio à reintrodução de uma cláusula de salvaguarda quanto ao aumento da coleta de IMI em prédios destinados à habitação própria e permanente dos sujeitos passivos, conforme previsto na Proposta de Lei n.º 12/XIII.
3 – Apelar à introdução no Orçamento de Estado para 2016 de normas com vista ao tratamento privilegiado em sede de fixação da taxa de IMI nos prédios destinados a habitação própria e permanente do agregado familiar do sujeito passivo independentemente da existência de dependentes a cargo.
4 - Apelar à introdução no Orçamento de Estado para 2016 de normas com vista a revogar o tratamento privilegiado das misericórdias relativamente às demais IPSS nas isenções de IMI.
5 – Enviar a presente Moção a Suas Excelências o Presidente da Assembleia da República, o Primeiro-Ministro, o Ministro das Finanças e aos Grupos Parlamentares na Assembleia da República.

Guarda, 26 de Fevereiro de 2016
Os Deputados Municipais do Bloco de Esquerda da Guarda
Bruno Andrade e Marco Loureiro

BE recomenda à CMG que promova uma campanha de esterilização de animais de rua


No passado dia 26 de Fevereiro realizou-se mais uma sessão ordinária da Assembleia Municipal da Guarda, na qual o grupo municipal do Bloco de Esquerda apresentou uma recomendação à autarquia para que a mesma, realize uma campanha municipal de esterilização de animais de rua.

O deputado municipal, Marco Loureiro deu voz à recomendação abaixo transcrita:  

Recomendação
Campanha municipal de esterilização de animais de rua 

Considerando que:

Existem no concelho inúmeros animais errantes, cães, gatos, sendo que muitos deles são abandonados e morrem nas estradas do nosso concelho.

O Grupo Municipal do Bloco de Esquerda recomenda à Câmara Municipal da Guarda que promova a "esterilização de animais de rua", através de ações que convergem para a efetivação desta medida, tais como:

a) A esterilização dos Animais de Rua deve ser feita pelo Veterinário Municipal;

b) Estabelecimento de parcerias com Clínicas Veterinárias do Concelho, para esterilização e vacinação dos animais adotados, a preços especiais;

c) Promover a esterilização de Animais Domiciliados, para evitar que eventuais fugas resultem em aumentos populacionais descontrolados;

d) Criação do "Cheque Veterinário" a atribuir a famílias carenciadas do concelho, detentoras de animais de companhia, para a utilização na esterilização e cuidados veterinários básicos (vacinas e desparasitação) dos seus animais (esta modalidade de apoio já está a ser praticada noutros municípios, com pleno sucesso);

e) Promoção de campanhas, destinadas em especial às crianças, mas também à população em geral, de sensibilização e consciencialização sobre os direitos dos animais e de informação sobre a legislação relativa à proteção dos animais;

f) Monitorizar, com a regularidade que estas matérias reclamam, as medidas/ações que venham a ser desencadeadas pela Câmara Municipal.

Guarda, 26 de Fevereiro de 2016

Os Deputados Municipais do BE

Marco Loureiro e Bruno Andrade